Letras de Músicas

DEZ ANOS - Loa alusiva aos 10 anos do MBA
(Marcelo Melo)

DEZ ANOS NÃO SÃO DEZ DIAS, NÃO FOI FÁCIL, MAS ELE BRILHOU.
VER O MEU BAQUE SURGINDO, RADIOSA FOI QUEM NOS GUIOU.
EU SOU DO BAQUE VIRADO, HERANÇA DO CONGO E DO POVO NAGÔ.

TENS NO NOME NAS CORES E LOAS, ESSA TERRA QUE NOS ACOLHEU.
O QUEBRA TENTOU NOS CALAR, MAS O MARACATU NÃO MORREU.
ALAGOAS TÃO LINDA TEUS ENCANTOS OS POETA ESCREVEU.


VALE MUITO MAIS QUE OURO
(Marcelo Melo)

TOCA ESSE BOMBO DE COURO MARCADO,
ELE É O MEU TESOURO.
MEU MARACATU É DE BAQUE VIRADO,
VALE MUITO MAIS QUE OURO.

ESSE SOM VEM DE LUANDA,
TEM HISTÓRIA E TRADIÇÃO.

TOCA COM SANGUE NOS OLHOS,
REPICA OS TAMBORES, LÁ VEM O TROVÃO.

CHEGO SEM PEDIR LICENÇA,
FAÇO O CHÃO ESTREMECER.

TOCA BAQUE ALAGOANO,                                                             
BATUQUE GUERREIRO,
ATÉ O SOL NASCER.

TOCA ESSE BOMBO DE COURO MARCADO,
ELE É O MEU TESOURO.
MEU MARACATU É DE BAQUE VIRADO,
VALE MUITO MAIS QUE OURO. 

SALVE O MEU MARACATU
(Marcelo Melo)

AS BATIDAS DOS TAMBORES, QUE ECOAM NA MUNDAÚ.                                
SALVE OS MESTRES, SALVE PALMARES, SALVE O MEU MARACATU.

CHEGA MEU POVO CORRE PRA VER, ESSE BAQUE QUE ENTOA.
CANTA FORTE, CANTA ALTO: EU SOU DE ALAGOAS! .                     

COM AS CORES DO MEU ESTANDARTE FAÇO VERSO, PROSA E LOA.     
CANTA FORTE, CANTA ALTO: EU SOU DE ALAGOAS!                        

RADIOSA BRILHANDO NO CÉU, NOSSA MÃE NOS ABENÇOA.
CANTA FORTE, CANTA ALTO: EU SOU DE ALAGOAS!                  

AS BATIDAS DOS TAMBORES, QUE ECOAM NA MUNDAÚ.                                 
SALVE OS MESTRES, SALVE PALMARES, SALVE O MEU MARACATU.


SALVE OS MESTRES, SALVE PALMARES, SALVE O MEU MARACATU.  

MEU MARACATU VEM CHEGANDO
(Marcelo Melo)



DE VERMELHO, BRANCO E AZUL BATE O GUERREIRO NESSE GONGUÊ,

SACODE ESSAS CONTAS MENINAS, BALANÇANDO O AGBÊ.



BAQUETA NA MÃO NO BAQUE VIRADO,

TOCA ESSE BOMBO QUE VEM PRA AVISAR.



MEU MARACATU VEM CHEGANDO,

DÁ LICENÇA PRA EU PASSAR.


 LEVANTA O ESTANDARTE 
(Marcelo Melo)


BATE FORTE MEU BATUQUEIRO,

QUANDO ESSA LOA TOCAR.

MEU BAQUE É ALAGOANO,

TEM HISTÓRIA PRA CONTAR.



AGOGÔ MARCA O TEMPO,

NÃO DEIXA O BAQUE CAIR.

NO APITO DO MEU MESTRE,

LEVANTA O ESTANDARTE, NÓS VAMOS SAIR.

QUERO VER
(Marcelo Melo)


ACORDA SINHÔ, LEVANTA SINHÁ, SIMBORA QUE O BAQUE ACABOU DE CHEGAR!



NO REPIQUE DA ALFAIA, BALANÇA O ABÊ,

SEGURA ESSE BAQUE QUE EU QUERO VER.



QUE EU QUERO VER...

SEGURA ESSE BAQUE QUE EU QUERO VER.

QUERO VER O ESTANDARTE BRILHAR NA AVENIDA,
AO SOAR DO APITO ECOA A BATIDA.

SUANDO A CAMISA AO SOM DO TROVÃO,
É MEU BAQUE CHEGANDO, SEGURA A EMOÇÃO!

QUE EU QUERO VER...
SEGURA A EMOÇÃO QUE EU QUERO VER.....


O BAQUE QUE FAZ BALANÇAR
(Régis Curió)
 
OUVI UM BAQUE QUE ME FEZ BALANÇAR,
NUMA TARDE DE SÁBADO NO CENTRO DA CAPITAL,
NAS SOMBRAS DAS AMENDOEIRAS,
NUMA PRAÇA A BEIRA MAR,
ENCONTRO DE AMIGOS E BATUQUEIROS,
QUE PREPARAM O CORTEJO QUE ANUNCIA O CARNAVAL.

O BAQUE BALANÇA, SACUDINDO A MULTIDÃO,
COM PAZ E AMOR NO CORAÇÃO E NO CORTEJO FESTEJAR.

AO SOM DO MALE, MARTELO, ARRASTO E ALUJÁ,
PARADA QUE ANUNCIA E FAZ O POVO CANTAR,
BAQUE ALAGOANO!

EU SOU O MARACATU,
VERMELHO, BRANCO E AZUL, AS CORES QUE ME IDENTIFICAM,
VERMELHO DA LIBERDADE, O BRANCO DA IGUALDADE,
E O AZUL DE FRATERNIZAR.

RESSURGI, AQUI É MEU LUGAR, VOU MEU BATUQUE FIRMAR,
PARA ESSE POVO DANÇAR, COM MUITA EMPOLGAÇÃO, 
NÃO SOU UMA NAÇÃO, MAS ARRASTO A MULTIDÃO,
POR ONDE EU PASSAR.

O BAQUE BALANÇA, SACUDINDO A MULTIDÃO,
COM PAZ E AMOR NO CORAÇÃO E NO CORTEJO FESTEJAR.

AO SOM DO MALÊ, MARTELO, ARRASTO E ALUJÁ,
PARADA QUE ANUNCIA E FAZ O POVO CANTAR,
BAQUE ALAGOANO!

QUEM É QUE VEM
(Régis Curió)

QUEM É QUE VEM,
VIBRANDO E CANTANDO,
É O MARACATU BAQUE ALAGOANO.

EM CADA BAQUE QUE ENTOA,
VIBRA IGUAL UM TROVÃO,
ESTRONDA NOS QUATRO CANTOS,
O SOM DA SUA PERCUSSÃO.

QUEM É QUE VEM,
VIBRANDO E CANTANDO,
É O MARACATU BAQUE ALAGOANO.

VEM GENTE DE TODO CANTO,
DO INTERIOR E DA “CAPITÁ”,
VEM GENTE DO SUL E DO NORTE,
PRÁ VER O BAQUE TOCAR!

QUEM É QUE VEM,
VIBRANDO E CANTANDO,
É O MARACATU BAQUE ALAGOANO.

SALVE, MINA, SALVE, NAGÔ
(Júlio César)

SALVE, MINA, SALVE, NAGÔ.
SALVE, TIA PRETA, A RAINHA CHEGOU.

SALVE, MINA, SALVE, NAGÔ.
SALVE, TIA PRETA, YANSÃ COROOU.

NOSSO BAQUE TOCA EM MALÊ.
TRAZENDO CONSIGO A FORÇA DO AGBÊ.

NOSSO BAQUE TOCA EM MALÊ.
TRAZENDO PRO POVO HISTÓRIA E SABER.

SALVE, MINA, SALVE, NAGÔ.
SALVE, TIA PRETA, XANGÔ COROOU.

SALVE, MINA, SALVE, NAGÔ.
SALVE, TIA PRETA, A RAINHA VOLTOU.

CHEGOU MEU BAQUE CHEGOU
(Fran Oliveira / Mestre Dalmo)

CHEGOU, CHEGOU,
CHEGOU MEU BAQUE CHEGOU.
NA BEIRA DO MAR CORRENTEZA,
A VELAR O MEU BAQUE CHEGOU.

CHEGOU, CHEGOU,
CHEGOU MEU BAQUE CHEGOU.
NA BEIRA DO MAR CORRENTEZA,
A VELAR IEMANJÁ QUEM MANDOU.


SEGURA A PANCADA 
(Marcelo Melo) 
 
O MESTRE CHAMA NO APITO PRA O BATUQUE COMEÇAR,

SEGURA A PANCADA QUE O BAQUE VAI TOCAR.



CAIXA DE GUERRA, XEQUERÊ, AGOGÔ E GONGUÊ;

NA ALFAIA A MARCAÇÃO FAZ O CHÃO ESTREMECER!
  

FESTA E LUTA
(Marcelo Melo)

NOSSO BATUQUE NÃO TEM RAÇA, NÃO TEM COR.
É NAÇÃO DE FESTA E LUTA, MUITA GARRA E ESPLENDOR.

O MARACATU TEM HISTÓRIA PRA CONTAR,
AQUI EM ALAGOAS TAMBÉM É O SEU LUGAR.

EM NOSSAS LOAS PROCURAMOS EXALTAR,
A BELEZA E A RIQUEZA DA CULTURA POPULAR.

E QUEM QUISER, PODE VIR, PODE CHEGAR,
QUE COM ALEGRIA VAMOS TODOS BATUCAR.

NOSSO BATUQUE NÃO TEM RAÇA, NÃO TEM COR,
É NAÇÃO DE FESTA E LUTA, MUITA GARRA E ESPLENDOR.


QUEM FOI QUE DISSE ?
(Versão Marcelo Melo)

QUEM FOI QUE DISSE QUE O BAQUE NÃO SAIA?
O BAQUE ESTÁ NA RUA CO  PRAZER E ALEGRIA.

FAZIA CHORAR, FAZ O POVO ADMIRAR,
SE O BAQUE NÃO SAISSE NÃO HAVIA CARNAVAL.

BAQUE DO POVO
(Marcelo Melo)

ESSE BAQUE É MEU,
ESSE BAQUE É DO POVO.

CHEGOU BAQUE ALAGOANO,
TRAZENDO ALEGRIA DE NOVO.

O MEU MARACATU,
É DE BAQUE VIRADO.

BATUQUEIRO BATE FORTE,
E O POVO FICA ENCANTADO.

ESTRELA RADIOSA
(Marcelo Melo)

ESTRELA RADIOSA, NO CÉU A BRILHAR,
ILUMINA QUE O BAQUE, BAQUE ALAGOANO CHEGOU PRA FICAR.

MESTRE DALMO CONDUZ O BATUQUE GUERREIRO,
TRAZ NO CORPO E NA ALMA, A FORÇA DO POVO NEGRO.

O BAQUE É FORTE
(Marcelo Melo)

O BAQUE É FORTE, ESTREMECE A NAÇÃO,
NAÇÃO ALAGOANA DE HISTÓRIA E TRADIÇÃO.

TERRA DOS “MARECHAIS”, DE BELEZAS NATURAIS,
ALAGOAS TEM CULTURA, TEM FOLCLORE E MUITO MAIS.

TERRA DE ZUMBI
(Marcelo Melo)

NA TERRA DE ZUMBI TEM UM BAQUE FORTE QUE ENTOA,
FAZENDO RESSURGIR O MARACATU EM ALAGOAS.


TRAZ DE VOLTA ESSE RITMO PERDIDO HÁ VÁRIOS ANOS,
APRESENTO À VOCÊS, O BAQUE ALAGOANO.

CELEBRAÇÃO PARA AYÃN
(Daniel Madeira) 


ESSE SOM QUE VEM DA ÁFRICA,
É UM SOM DE AMOR.
EM TERRAS ALAGOANAS,
RENASCEU MEU MARACATU.
  
NA BATIDA DA ALFAIA,
TOCANDO GONGUÊ,
SOU QUIZUMBA DE AYÃ,
CHACOALHANDO O ABÊ.

VENHA PARA ESSA QUIZUMBA,
VENHA PARA BALANÇAR,
NO TOQUE DO MARACATU,
SEU FILHO DE AYÃ CHEGOU PRA CELEBRAR.

VENHA PARA ESSA QUIZUMBA,
VENHA PARA DANÇAR,
AO SOM DO MARACATU,
O NEGRO E O BRANCO VÃO SE ABRAÇAR.